JOGOS DIGITAIS GRATUITOS DE MATEMÁTICA: ANÁLISE DOS REQUISITOS E O ENSINO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL / MATHEMATICS FREE DIGITAL GAMES: REQUIREMENTS ANALYSIS AND TEACHING FOR CHILDREN WITH INTELLECTUAL DISABILITIES

Edson dos Santos Cordeiro, Gabriela Corbari dos Santos, Gustavo Yuji Sato, Margarette Matesco Rocha

Abstract


A perspectiva da educação inclusiva trouxe diversos desafios para a escola comum, incluindo a necessidade de investimentos em estratégias diferenciadas para o ensino das crianças com necessidades educacionais especiais. A utilização de jogos digitais para o ensino da matemática tem aumentado nas últimas décadas, no entanto, ainda são escassos os estudos relacionados a análise dos jogos digitais disponíveis e, em especial, a análise da relação entre os requisitos e as características das crianças com deficiência intelectual. O objetivo do presente estudo foi identificar e caracterizar os jogos digitais gratuitos para celular, disponíveis na loja virtual Google Play, voltados ao ensino de operações básicas de matemática destinados às crianças com deficiência intelectual. A seleção dos jogos ocorreu a partir do mecanismo de busca da loja virtual e foram utilizados diversos critérios, incluindo idade, escolaridade e habilidades básicas de matemática. Foram identificados oito jogos e analisados por meio de onze requisitos, subdivididos em dezenove questões, entretanto, em nenhum deles havia indicação explícita que as atividades propostas eram para as crianças com necessidades educacionais especiais. Os resultados mostraram que seis jogos atenderam ao menos 60% dos requisitos investigados e a discussão a respeito da relação entre os requisitos e as características das crianças com deficiência intelectual permitiu apresentar algumas recomendações para o entendimento do impacto da presença ou não de um dado requisito sobre o desempenho da criança no jogo e a sua aprendizagem.

 

The perspective on inclusive education brought several challenges to the regular school, including the need to invest in differentiated strategies for teaching children with special educational needs. Digital games' use for teaching mathematics has increased in recent decades, however, studies related to the available digital games analysis are still scarce, particularly, the relationship between the requirements and children with intellectual disabilities characteristics analysis. The objective of the present study was to identify and characterize free digital mobile games, available in the Google Play, aimed to teaching basic mathematical operations for children with intellectual disabilities. The games were selected using the online store search engine and several criteria were used, including age, educational stage and basic math skills. Eight games were identified and analysed using eleven requirements, subdivided into nineteen questions, however, in none of them there was any explicit indication that the proposed activities were for children with special educational needs. The results showed that six games met at least 60% of the investigated requirements and the discussion about the relationship between the requirements and children intellectual disabilities characteristics allowed to present some recommendations for understanding the presence (or not) of a given requirement impacts on the child's performance in the game and learning.

 

Article visualizations:

Hit counter

DOI

Keywords


jogos digitais; deficiência intelectual; matemática; ensino fundamental / digital games; intellectual disability; mathematics; elementary school

Full Text:

PDF

References


Alves, A. G., Hostins, R. C. L., Santos, M. A., Frisoni, B. C., Cipriani, M., Bianchini, P., & Moreira, G. F. (2014). Jogos digitais inclusivos: "Com o Dino todos podem jogar". In Anais do Computer on the Beach, 204 - 213. Disponível em https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/acotb/article/viewFile/5321/2782. Acesso em 14 abril 2020.

American Association on Intellectual and Developmental Disabilities (2010). Intellectual disability: Definition, classification, and systems of supports. American Association on Intellectual and Developmental Disabilities. 444 North Capitol Street NW Suite 846, Washington, DC 20001.

Arruda, M. A., & Almeida, M. D. (2014). Cartilha da inclusão escolar: inclusão baseada em evidências científicas. Comunidade Aprender Criança.

Balbino, R. R., Carneiro, L. H. X., Silva, M. D., Souza, M. M., de Paula, M. M. V. & Souza, F. F. (2009). Jogos educativos como objetos de aprendizagem para pessoas com necessidades especiais. RENOTE-Revista Novas Tecnologias na Educação, 7(3), 209-220.

Batista C. A. M. & Mantoan M. T. E. (2006). Educação inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

Benvenutti, L. C. (2008). A operação divisão: um estudo com alunos de 5ª série. 2008. Dissertação. Programa de Mestrado Acadêmico em Educação. Universidade do Vale do Itajaí. 61. 2008.

Brasil (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em 02 abr. 2020.

Brasil (2011). Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em 10 abr. 2020.

Brasil (2018). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras: TIC educação 2017. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Cabral, M. S. N. & Bottentuit, J. (2016). Práticas de ensino e uso das tecnologias no atendimento educacional especializado: enfoque nas salas de recursos multifuncionais. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, 14 (1), 1-10.

Carneiro R. U. C & Costa M. C. B. (2017). Tecnologia e deficiência intelectual: práticas pedagógicas para inclusão digital. RPGE - Revista on line de Política e Gestão Educacional 21: 706-719. doi: http://dx.doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10449

Carvalho E. N. S. (2016). Deficiência intelectual: conhecer para intervir. Pedagogia em Ação 8: 1-17. Disponível em http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/issue/view/818. Acesso em 26 mar. 2020.

Costa, A. B. Picharillo, A. D. M. & Elias, N. C. (2016). Habilidades Matemáticas em pessoas com deficiência intelectual: um olhar sobre os estudos experimentais. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 22, n. 1, p. 145-160, Jan. - Mar.

Cotonhoto, L. A. & Rossetti, C. B. (2016). Prática de jogos eletrônicos por crianças pequenas: o que dizem as pesquisas recentes? Revista Psicopedagogia; 33(102): 346-357.

Silva L. P. & Mendonça, V. G. (2013). Diretrizes para game design de jogos educacionais. In Proc. SB Games, Art Design Track (pp. 132-141).

Devi, C.R. & Sarkar, R. (2019). Assistive technology for educating persons with intellectual disability. European Journal of Special Education Research, 4(3), 184-199.

Fokides, E. (2018). Digital educational games and mathematics: results of a case study in primary school settings. Education and Information Technologies, 23(2), 851-867.

Fontes, R.; Pletsch, M. D.; Braun, P. & Glat, R. (2007). Estratégias pedagógicas para a inclusão de alunos com deficiência mental no ensino regular. In GLAT, R. (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. pp. 79-96. Rio de Janeiro: Editora Sete Letras.

Fu, F. L., Su, R. C. & Yu, S. C. (2009). EGameFlow: A scale to measure learners’ enjoyment of e-learning games. Computers & Education, 52(1), 101 - 112. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2008.07.004.

Garcia R. M. C. (2013). Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação 18: 101-239. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000100007

Gualberto, P. M. A., Aloi, P. E. & Carmo, J. S. (2012). Avaliação de habilidades pré-aritméticas por meio de uma bateria de testes. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 5(2), 21-36.

Institute of Electrical and Electronics Engineers (1990). Standard Glossary of software engineering terminology. IEEE Software Engineering Standards & Collection. I EEE, 610-12.

Leite, S., P.; Mendonça, V. G. (2013). Diretrizes para game design de jogos educacionais. In Proc. SBGames, Art Design Track (pp. 132-141).

Lima, S. M., Lima, S. A. de, Almeida, M. F. A. de & Frasson, A. C. (2017). Tecnologia da Informação e Comunicação: A percepção dos professores de uma escola pública profissionalizante em relação à gestão e utilização de recursos digitais. Revista Espacios. v. 38(55), pág. 19.

Malaquias, F. F. O., Malaquias, R. F. Lamounier, Jr. E. A. & Cardoso A. (2013). VirtualMat: A serious game to teach logical-mathematical concepts for students with intellectual disability. Technology and Disability, v. 25 (2), 107-116.

Mamcasz-Viginheski, L. V., da Silva, S. D. C. R., Shimazaki, E. M. & Pinheiro, N. A. M. (2019). Jogos na alfabetização matemática para estudantes com deficiência visual numa perspectiva inclusiva. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 14(2), 404-419. doi: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.8893.

Mantoan, M. T. E. (2003). Uma escola de todos, para todos e com todos: o mote da inclusão. In: Stobaus, C. D.; Mosquera, J. J. M. (Orgs.). Educação Especial: em direção à educação inclusiva. 2.ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004, pp. 27- 40.

Marin, M., & Maretti, M. (2014). Ensino colaborativo: estratégia de ensino para a inclusão escolar. In Anais do I Seminário Internacional de inclusão escolar: práticas em diálogo. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Masciano, C. F. R. (2015). O uso de jogos do software educativo Hércules e Jiló no mundo da matemática na construção do conceito de número por estudantes com deficiência intelectual. 178f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/18185. Acesso em: 20 mar. 2020.

Pletsch, M. D., Souza, F. F. D. & Orleans, L. F. (2017). A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 14(35), 264-281.

Poeta, C. D. & Geller, M., (2014). Jogos digitais educacionais: concepções metodológicas na prática pedagógica de matemática no ensino fundamental. Revista Educação Matemática em Revista–RS. Ano, 15, 49.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F. & Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Santos W. S. & Alves, L. R. G. (2018). Jogos Digitais: um level up para a Educação Matemática brasileira. Revista de Educação, Ciência e Cultura 23: 1-14.

Sassaki, R. K. (1997). Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA.

Savi, R., Von Wangenheim, C. G., Ulbricht, V., & Vanzin, T. (2010). Proposta de um modelo de avaliação de jogos educacionais. Renote – Revista Novas Tecnologias na Educação, 8(3).

Silva, S. D. S. V. A. & de Alcantara Ferraz, D. P. (2019). A Visão do Professor sobre Jogos Digitais no Ensino da Matemática para alunos com Deficiência Intelectual: Estado da arte. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 21(1), 180-196.

Unesco (1994). Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades Educativas Especiais. Espanha: Salamanca.

Valle, P. H. D., Vilela, R. F., Parreira Jr., P. A. P. & Inocêncio, A. C. G. (2013). Hedeg-heurísticas para avaliação de jogos educacionais digitais. Nuevas Ideas en Informática Educativa TISE.

Vilarinho, L. R. G., Leite & M. P. (2015). Avaliação de jogos eletrônicos para uso na prática pedagógica: ultrapassando a escolha baseada no bom senso. Renote – Revista Novas Tecnologias na Educação, 13(1).




Copyright © 2015. European Journal of Special Education Research (ISSN 2501 - 2428) is a registered trademark of Open Access Publishing GroupAll rights reserved.

This journal is a serial publication uniquely identified by an International Standard Serial Number (ISSN) serial number certificate issued by Romanian National Library (Biblioteca Nationala a Romaniei). All the research works are uniquely identified by a CrossRef DOI digital object identifier supplied by indexing and repository platforms.

All the research works published on this journal are meeting the Open Access Publishing requirements and can be freely accessed, shared, modified, distributed and used in educational, commercial and non-commercial purposes under a Creative Commons Attribution 4.0 International License (CC BY 4.0).